Cálculos renais afetam até 15% da população mundial


FLÁVIA MANTOVANI
da Folha de S.Paulo - 17/09/2008

 

Eles nascem nos rins, podem ter o tamanho de grãos de areia e ficar quietos por meses ou anos. Até que resolvem se mexer e chegam a fazer muita gente grande pedir colo e se contorcer de dor. Formados pela aglomeração de cristais na urina, os cálculos renais atingem uma grande quantidade de pessoas --de 5% a 15% da população, segundo dados mundiais.

E o número de afetados vem aumentando: nos EUA, houve um crescimento de 37% na formação de cálculos nas últimas décadas. "Esse dado está relacionado a mudanças no estilo de vida e à evolução nos diagnósticos. A pessoa faz um ultra-som por outra razão e descobre o cálculo", explica o urologista Nelson Gattás, coordenador do comitê de litíase (formação de cálculos) da Sociedade Brasileira de Urologia e professor da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Hábitos como baixa ingestão de água, excesso de consumo de sal e sedentarismo favorecem a formação de cálculos.

Antes mais comum em homens, o problema já não é predominantemente masculino. Segundo Ita Pfeferman Heilberg, professora de nefrologia e coordenadora do Ambulatório de Litíase da Unifesp, as mulheres secretam mais citrato, um inibidor de cristalização e, por isso, estariam mais protegidas. Mas fatores ambientais vêm contribuindo para a equiparação dos dois gêneros. "Cada vez mais, vemos que não há essa diferença. Elas estão no mercado de trabalho, expostas às mesmas condições a que os homens", diz.

A parte boa da história é que há novos recursos para aliviar o problema. No último Congresso Americano de Urologia, foi apresentado um estudo mostrando que os alfabloqueadores, usados contra o câncer de próstata, dilatam o canal que conduz a urina à bexiga e aumentam em 30% a chance de o paciente eliminar cálculos nessa região. "É o único remédio que, comprovadamente, pode ser usado para ajudar a eliminar cálculos", diz Gattás.

E, se a pedra não sair sozinha, os recursos para fragmentá-la estão mais eficazes. Os aparelhos de endoscopia usados com o laser, por exemplo, estão cada vez mais flexíveis, o que permite que atinjam cálculos localizados no rim. "Antes, só chegávamos a cálculos mais baixos, perto da bexiga", diz o urologista Flávio Trigo Rocha, do núcleo avançado de urologia do Hospital Sírio-Libanês e do Hospital das Clínicas da USP (Universidade de São Paulo).

Na parte da prevenção, também há o que fazer, e mitos a serem derrubados.

Veja os procedimentos usados para fragmentar ou retirar o cálculo:

Ureteroscopia com ultra-som ou com laser
Introduzido pela uretra, o endoscópio atinge a bexiga e o ureter, o que permite ver a pedra, e é acoplado ao laser ou ao ultra-som, que a fragmentam. Os mais modernos são flexíveis, chegam ao rim e só podem ser usados com o laser. Já os endoscópios semi-rígidos alcançam apenas cálculos mais baixos e podem ser acoplados ao ultra-som ou ao laser. Exige anestesia geral, mas não tem cortes e o paciente pode receber alta até no mesmo dia. Indicado para cálculos não muito grandes (de até 2 cm)

Leco (litotripsia extracorpórea por ondas de choque)
O cálculo é fragmentado por um aparelho que emite ondas de choque. Muitas vezes, exige anestesia, são necessárias várias aplicações e cerca de 30% dos pacientes sentem cólica para eliminar os fragmentos depois --por isso, é muito menos preconizada do que já foi. Indicada para cálculos de até 2 cm, desde que não estejam na parte inferior do rim

Cirurgia percutânea
É feita uma pequena incisão na pele, por onde passam endoscópios que chegam ao rim. Os cálculos são removidos ou, no caso de cálculos maiores, fragmentados com laser ou ultra-som e, depois, tirados com pinças. Indicada para cálculos no rim de qualquer tamanho. O paciente recebe anestesia geral e fica internado por dois ou três dias

Cirurgia aberta
Feito por um grande corte no abdômen ou na região lombar, é o procedimento mais invasivo. Raramente é indicado, a não ser que não haja solução com os outros métodos. Exige anestesia geral, internação de uma semana e repouso de um mês

 

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u445488.shtml

 

 

Site Elaborado por: Marcelo Ortiz Ficel