Motivada por constantes reclamações por parte dos usuários dos planos de saúde, a ANS proíbe venda de 268 planos de saúde de 37 operadoras.

 

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) suspendeu o direito de comercialização de 268 planos de saúde, administrados por 37 operadoras, por não cumprirem os prazos máximos de atendimento aos seus beneficiários. A medida não afeta os beneficiários desses planos, cerca de 3,5 milhões de pessoas. "A ANS está proibindo que esses planos possam ser vendidos enquanto a operadora não prestar atendimento adequado àqueles que já os possuem. Não prejudica o beneficiário, pelo contrário, protege essas pessoas", disse o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Os planos são avaliados a cada três meses, de acordo com o cumprimento dos prazos de atendimento. Os que tiveram a comercialização suspensa foram mal avaliados duas vezes. Se os planos insistirem na venda, poderão ser multados em R$ 250 mil. De acordo com o diretor geral da ANS, Mauricio Ceschin, "houve atrasos em consultas, exames, no atendimento corriqueiro" afirmou.

De 19 de março a 18 de junho, a ANS recebeu 4.682 queixas de clientes por causa do não cumprimento dos prazos pelas operadoras, que variam de três a 21 dias dependendo da especialidade médica.

Segundo a ANS, das 1.016 operadoras de plano de saúde no país, 162 receberam ao menos uma reclamação no período avaliado por desrespeitarem os prazos para a realização de consultas, exames e cirurgias, estabelecidos em uma norma vigente desde dezembro de 2011.

O levantamento trimestral também constatou que do total de operadoras, 105 receberam queixas nos dois balanços feitos em 2012, sendo que no caso de 40 empresas, as reclamações justificam a suspensão de produtos, como a venda dos planos de saúde.

De acordo com a ANS, mais 82 operadoras ficaram acima da média aceitável de reclamações e dos 370 planos odontológicos apenas dois receberam queixas.

“O consumidor deve ter acesso a tudo o que contratou com a sua operadora. Aquelas que não cumprirem este normativo poderão ter a venda de planos suspensa”, disse, por meio de um comunicado, o diretor-presidente da ANS, Mauricio Ceschin.

Veja a lista das 37 operadoras suspensas:
1. Admedico Administração de Serviços Médicos a Empresa LTDA
2. Administradora Brasileira de Assistência Médica LTDA
3. ASL - Assistência a Saúde
4. Assistência Médico Hospitalar São Lucas
5. Beneplan Plano de Saúde LTDA
6. Casa de Saúde São Bernardo S/A
7. Centro Clínico Gaúcho LTDA
8. Centro Transmontano de São Paulo
9. Excelsior Med S/A
10. Fundação Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte
11. Fundação Waldemar Barnsley Pessoa
12. Green Line Sistema de Saúde S.A.
13. Grupo Hospitalar do Rio de Janeiro LTDA
14. HBC Saúde S/C
15. Memorial Saúde LTDA
16. Nossa Saúde - Operadora Planos Privados de Assistência à Saúde LTDA
17. Operadora Ideal Saúde LTDA
18. Porto Alegre Clínicas S/S LTDA
19. Prevent Senior Private Operadora de Saúde LTDA
20. Real Saúde LTDA EPP
21. Recife Meridional Assistência Médica LTDA
22. Samp Espírito Santo Assistência Médica LTDA
23. São Francisco Assistência Médica LTDA
24. São Francisco Sistemas de Saúde Sociedade Empresária LTDA
25. Saúde Medicol S/A
26. SEISA Serviços Integrados de Saúde LTDA
27. SMS - Assistência Médica LTDA
28. Social - Sociedade Assistencial e Cultural
29. SOSAÚDE Assistência Médico Hospitalar LTDA
30. Unimed Brasília Cooperativa de Trabalho Médico
31. Unimed Federação Interfederativa das Cooperativas Médicas do Centro-Oeste e Tocantins
32. Unimed Guararapes Cooperativa de Trabalho Médico LTDA
33. Unimed Maceió Cooperativa de Trabalho Médico
34. Unimed Paulistana Sociedade Cooperativa de Trabalho Médico
35. Universal Saúde Assistência Médica S.A.
36. Vida Saudável S/C LTDA
37. Viva Planos de Saúde

Site Elaborado por: Marcelo Ortiz Ficel